Veja o artigo sobre a construção Secretaria de Igualdade Racial da CTB-São Paulo feito pela diretora do Sinpro e agora secretária da CTB, Lidiane Mariana da Silva Gomes.

História. Nunca na história do povo negro, esta ciência foi tão importante, e cada vez mais é visível como a História não deve se afastar da tentativa de compreender o passado. Só assim, saberemos quem somos, de onde viemos e que história carregamos, a fim de escolher melhor os passos futuros.

Essa é uma das preocupações do Coletivo de Igualdade racial que se reorganizou na CTB-São com o objetivo de organizar a plenária do II Encontro Nacional de Igualdade Racial, para debater a política excludente do mundo do trabalho formal e de qualidade para o povo negro, pobres e periféricos. Dizendo isso, entende-se, traçando a linha da História da escravidão e depois do Pós-abolição de que a maioria dos desfavorecidos são provenientes desta época, e que, em toda construção sócio econômica de nosso país, continuam em posição de inferioridade diante do capital.

Em seu início, sem ainda ter o amadurecimento necessário, embora seus componentes inicias tenham abraçado a ideia por terem consciência da existência do racismo no mundo do trabalho, o coletivo foi ganhando mais sindicatos e foi caminhando para a consolidação das ideias que hoje se materializam neste Congresso.

Neste caminho de materialização e de posicionamento político, ocorreu em São Paulo, no Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente (SINTAEMA), dia 27 de Maio, um debate que pretendeu ampliar a discussão sobre o Direito ao Trabalho no Pós-abolição. Destas discussões, foi apontada a necessidade da criação da Secretaria de Igualdade Racial, se tratando do ato de que o Estado de São Paulo tem um histórico de exclusão social da população negra que presenciou a chegada da Indústria com mais intensidade.

Foi durante o 4º Congresso Estadual da CTB-São Paulo que este tão esperado passo foi dado. Depois de todos os argumentos a favor da criação da Secretaria e de compreender a necessidade de se travar a batalha contra o racismo que o plenário decidiu por unanimidade pela criação deste espaço institucionalizado de promoção da Igualdade Racial no mundo trabalho e, consequentemente, a busca de igualdade social.

Os desafios são grandes e os primeiros passos a serem cumpridos é o levantamento da existência de grupos já consolidados nesta luta, reconhecer os grupos que estão se criando e fomentar a criação de núcleos nos sindicatos que ainda não possuem pessoas para a pasta. Desta forma, pode-se atuar com a ajuda dos companheiros mais experientes na formação dos que começam.

A luta é grande e não pode ser solitária. Aliás, a luta dos negros sempre foi grande, mas nunca foi individual. A secretaria traz a proposta de criação de uma comissão de sindicalistas e quem mais possa contribuir para alcançar os objetivos apontamos acima. É essa união ancestral que nunca nos deixou desistir. E não é agora que isso irá acontecer!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *