chieleno 05

Na manhã de ontem, dia 05, as centrais sindicais protestaram contra a PEC 287, que versa sobre reforma da previdência, em frente ao INSS, em São Paulo. Representaram o Sinpro Campinas e região o presidente do Sindicato, Carlos Virgilio Borges, o Chileno, e o diretor Paulo José Nobre, que também é secretário geral da CTB – São Paulo.

Com o mote “se botar para votar o Brasil vai parar”, os dirigentes prometeram novos protestos caso a reforma entre em votação nos próximos dias. Para o presidente da CTB, Adilson Araújo, para barrar a reforma é preciso unidade dentro do movimento sindical. “Michel Temer e Rodrigo Maia querem liquidar a fatura utilizando dos expedientes mais espúrios para aprovar mais uma profunda maldade contra o nosso povo. Agora, mais que nunca devemos apostar na unidade do movimento sindical, o sentimento de classe contra este sistema opressor”, afirmou Araújo.

O governo de Michel Temer pretende votar a medida na Câmara dos Deputados ainda este ano, antes do recesso parlamentar que começa no dia 23 de dezembro. O presidente da Casa, o deputado Rodrigo Maia, acenou que a pauta pode entrar em votação já na próxima semana.

No ato, o presidente do Sinpro Campinas criticou a PEC e afirmou o projeto é injusto e não condiz com a situação do trabalhador brasileiro. “Eles demostram que eles não conhecem esse país, falar de idade mínima é ignorância, ou sabemos que eles estão privilegiando alguns, pois eles mesmos já estão aposentados”, afirmou Chileno. O presidente também destacou que “se essa reforma for votada o Brasil vai parar, é esse o recado que nós estamos dando”.

Segundo informações divulgadas pelas centrais sindicais, 25 Estados fizeram atos contra a reforma por todo o país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *